Não escrever seria morrer

Anna Tsvell. Thirst. 2020.

Minhas anotações entremeiam meus pensamentos para o mundo. Eu queria que meus pensamentos fossem a tinta que escorre da caneta para o papel, mas não são. O pensamento é qualquer coisa possível só dentro de mim.

Eu amo esta palavra: impossível.

Eu moro perto da estação de trem e a forma como a grande máquina passa e buzina à meia-noite torna tudo um tanto insólito, um tanto irreal. A madrugada abre um espaço-sensação dentro da memória, que transborda, pulsante, pronta para ser sentida. Eu choro nas muitas insônias por sofrimentos passados, por feridas, perdas e dores que, no fundo, eu nunca quis esquecer.

É preciso que comdor/semdor (com dor até que sem dor) pedaços meus ainda existam, que essa memória permaneça. É assim que eu mantenho os olhos e os ouvidos bem abertos para o que há em mim e para o que há no outro. É nesse meio entre lembrar e criar que eu faço minha escolha de escrever, de pintar, de não deixar certas feridas de lado.

Antes eu tinha um medo: o medo dessa coisa-criação ir embora de mim. Não escrever seria morrer. Mas eu percebi que sou dona dessa coisa-criação, que ela não é algo que chegou até a mim: que ela sou eu. Que sou eu toda ação no mundo. Escrever é minha maior e completa escolha de estar no mundo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: