NOSSOS CORPOS MOVEDIÇOS

Uma mulher com um peixe dentro de um vidro de olho transparente. Um olho transparente. Uma mulher sem graça com um peixe dentro de um espaço minúsculo. Um peixe em um espaço minúsculo, sem chance de respirar ou nadar ou escapar. Uma imagem sem graça de uma pessoa sem graça – quem pinta a unhaContinuar lendo NOSSOS CORPOS MOVEDIÇOS

A pintura do quarto do silêncio

Sua figura é lírica e transparente, talvez levemente diáfana. Seus tons são de azul e verde — mas são cores percebidas como percebemos a luz da manhã. Acorda, os olhos confusos, o cabelo no rosto. Ela está nua e o corpo flutua nos lençóis brancos. É como se pairasse, como se não pudesse encostar naContinuar lendo “A pintura do quarto do silêncio”

Você, sem nome

Eles não se conhecem. Dentro da casa, não se conhecem. Quando ela entra, a sala está escura. É dia, mas as cortinas estão cerradas. De pé, ele está encostado na parede mais distante da porta. Nada dizem. Ela se senta na cadeira. Está cansada da viagem longa. Tem sede, mas suas pernas pesam. Teria deContinuar lendo “Você, sem nome”