Voltei a pensar que quero morrer

Balthus, Coffee cup

Todo dia sinto uma corrente elétrica de ansiedade percorre as articulações. Todo dia a respiração é difícil e a angústia torna insuportável o sustentar do meu corpo. Corpo que é poeira sustentada por panos, indo e vindo dentro do apartamento. Vou me encolhendo como num casulo de lençóis e travesseiros. Minha cama é o único local seguro.


Não olho meu rosto, porque ele me lembra de que tenho olhos. Um dia serei um caderno amarelado, esquecido em uma gaveta qualquer, e só me restarão as palavras, sem a prisão da fina pele que prende carne e entranhas.


Hoje já me sinto existir tão pouco. Um fiapo que vai da angústia do peito aos dedos que percorrem o papel. Tudo além do papel é muito pouco.


Eu me quero leve como sopro de manhã preguiçosa e pesada como grito de mãe enlutada. Talvez por querer muito e pouco, tudo ao mesmo tempo, a angústia vá crescendo até me engolir. Engolida, afundo afundo. Até então, acabei nadando de volta à superfície, cega e aprisionada. Um dia, deixarei que o peso me submerja e que a leveza me arraste, sem volta, até o miolo do abismo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: